Agenda Geral | Comitês

<Novembro/2018>
DOMSEGTERQUAQUISEXSÁB
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930
<Novembro/2018>
DOMSEGTERQUAQUISEXSÁB
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Braga diz que não há solução mágica para problemas hídricos

18/01/2018 - Categoria: Eventos

Em entrevista à Agência Brasil, o Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos e presidente do Conselho Mundial da Água (WWC, sigla em inglês), Benedito Braga, destacou que não existe mágica para solucionar os problemas hídricos. Ele ainda recordou que água tratada não pode ser de graça porque há custos para levá-la à população. 

Braga está à frente do WWC, responsável junto ao governo brasileiro, pelo 8º Fórum Mundial da Água, que será do dia 18 a 23 de março, em Brasília. “A água não pode ser oferecida de graça porque quando essa água está na natureza e a tomamos da natureza, temos que tratá-la para que ela possa ser servida para a população. Na natureza, mesmo do rio mais límpido, aquela água não está em condições de ser servida com segurança à população. Então, há necessidade de investimentos em obras e serviços. E essas ações custam dinheiro e têm que ser pagas”, justificou Braga. 

Ele ainda destacou que as comunidades mais carentes têm direito à água e explicou que a tarifa seria diferente para essa parcela da população. “Eles teriam, sim, o direito a essa água. Precisamos criar uma estrutura tarifária em que os mais pobres paguem menos e aqueles, que têm melhores condições, paguem mais, de tal maneira, que a soma dos fatos resulte no pagamento dos custos relacionados com o provimento daquela água, nas condições seguras para consumo. Hoje, por exemplo, no Estado de São Paulo, a Sabesp já tem esse sistema”, elucidou.

Segundo o Secretário, o Fórum vai destacar o Saneamento. “Vamos ter um painel de alto nível para discutir esse assunto, abordando especialmente a questão do envolvimento de agentes públicos e de agentes privados no provimento do saneamento. Toda discussão vai acontecer durante o fórum. Precisamos que seja uma discussão muito séria sobre o financiamento dos serviços de água e saneamento, de sua infraestrutura na América Latina, na Ásia, na África”, ressaltou. 

Para conferir toda a entrevista, clique aqui.