CBH-LN

Sub-Unidades

Agenda Geral | Comitês

<Julho/2022>
DOMSEGTERQUAQUISEXSÁB
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31
<Julho/2022>
DOMSEGTERQUAQUISEXSÁB
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Live Água como Bem Comum - O que estamos fazendo?

31/07/2020 - Categoria: CBH-LN - Litoral Norte

Realizamos uma live sobre os recursos hídricos e atuações das esferas federal, estadual e das bacias do litoral norte de São Paulo no dia 8 de junho. A mediação ficou a cargo de Pedro Rego, vice-presidente do Comitê e coordenador da Câmara Técnica de Educação Ambiental (CT-EA).

Veja algumas discussões sobre o tema:

 “Nosso grande objetivo é aprimorar a qualidade da água nos nossos rios. No que se refere a saneamento básico, o grande trabalho foi dar instrumentos para que possamos melhorar – participando ativamente dos planos de saneamento dos quatro municípios. Nas 34 bacias o maior impacto refere-se à saneamento – 92% (270 mil pessoas) e 68% de cobertura de esgoto tratado, o que falta para universalizar o esgoto, realmente impacta as águas da região.  Enquanto considerarmos a água como recurso não vamos para frente, água é patrimônio a gente cuida, a gente deixa para outra geração, a gente tem carinho por ela”, comentou Denise Formaggia, engenheira civil especializada em saúde pública e saneamento e membra honorária do CBH-LN.

 “É necessária sua gestão, enquanto um bem público: compatível com o desenvolvimento e a conservação ambiental. A gestão é participativa, todos podem participar. Existe um espaço garantido por lei, federal e estadual, procure o CBH-LN, vejam quais são as formas e participem. São poucas leis que permitem a participação social do cidadão comum, conhecer melhor a realidade de nossa região e influenciar na decisão”.  Iara Giacomini representou a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA) e apontou a importância de ocupar esses espaços como o Comitê de Bacias.

 “Características que encontramos na gestão das águas, na política de recursos hídricos: a importância da participação, a busca pelo conhecimento, a necessidade de acesso a dados, a tomada de decisões nos colegiados e as dinâmicas de grupos. O representante do governo federal nos diálogos, Luís Mello da Agência Nacional das Águas (ANA), elencou pontos fundamentais para se abordar a água como bem público: cidadania crítica, colegiados e aprendizados com troca de informações.

Assista a live na íntegra: Acesse aqui:

https://www.facebook.com/watch/live/?v=688237148393232